quarta-feira, 8 de março de 2017

Sem essência e sem sal


Ele parece feliz, como parece triste, da mesma
forma. Pode estar falando sério ou contando uma
piada e você nunca sabe direito o que esperar
Enquanto os petistas roem as unhas por conta das delações, o pessoal do governo delira abertamente. No mesmo dia em que os dados apontam que o país vive a maior recessão de sua história, ninguém menos que o presidente diz que a economia brasileira está “indo numa onda excepcional”. Coisa de doido.

A afirmação é lunática faz a gente questionar se realmente o presidente disse algo assim. O portal 247, abertamente contrário a Temer, fez a festa. Também, pudera. É um passe para o gol e dado pelo goleiro, que deveria defender a sua área e, justamente, evitar gols. É o caso em que o presidente entra para cobrar o pênalti e chuta contra a sua própria meta.

Sem essência - Mas, espere. Temer não é bobo, muito pelo contrário. Em Brasília, foi entrevistado no escritório no qual trabalhei entre 2009 e 2010 e sua entrevista foi das mais inúteis. Ele responde sem responder, uma coisa fantástica e surpreendente. Não diz coisa com coisa e jura amores a Flamengo e Fluminense ao mesmo tempo, agrada, se puder, a Deus e ao diabo no mesmo movimento. E, pior: não sai bem nas fotos. Em situações em que é possível, escapa, se esconde, faz tudo para não ser registrado pela câmera. Tive muita dificuldade em fotografá-lo.

O presidente parece com o personagem principal do livro “O Perfume”, do alemão Patrick Süskind, publicado em 1985 e que vendeu mais de 15 milhões de exemplares. Jean-Baptiste Grenouille, o protagonista, não possui odor próprio e, por conta disso, passa despercebido, é como um fantasma, um ente sem essência. Segundo o autor, se o odor é a essência, o que não tem odor/essência não existe. Paralelamente a isso, Grenouille tem o olfato extraordinariamente desenvolvido. De certo modo, essa característica é bastante útil para um político, o que talvez possa ajudar a explicar o sucesso de Temer e de outros da mesma profissão.

Sem sal - Levando essa característica em conta, é interessante observar que, alegre ou triste, irado ou enlevado, a expressão do presidente é basicamente a mesma. E você sabe o quanto é difícil levar em conta e consideração o que uma pessoa sem expressão diz. Mesmo falando que a economia está excepcional em um dia em que as manchetes diziam, com bases numéricas, o oposto, não se sabe bem o que pensar, pois que, com o mesmo rosto que Temer fala algo tolo, também pode dizer algo genial. É o tipo do sujeito que te dá os parabéns com o mesmo espírito com que te daria pêsames. 

De modo que sugiro que ele pode ter dito a sandice que disse, mas querendo dizer outra coisa, ou não querendo dizer nada, muito pelo contrário. Tudo é possível. Se o odor é a essência, o tom é o sal da mensagem, conforme li uma vez em texto de Arnaldo Antunes, nos anos 1980, na Folha de São Paulo. E políticos como Temer não parecem ter essência ou sal e costumam ser hábeis o suficiente para confundir. 

Um comentário: