quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Um câncer difícil de extirpar


Uma força militar e fortemente
armada contra a população
Matéria do Portal Outras Palavras trata de um tema gravíssimo: as Polícias Militares estão fora de controle e, segundo Rafael Alcadipani, (especialista em segurança pública), as PMs já desrespeitam até os governos estaduais e são um grave perigo para a população. 

É um massacre, promovido por uma instituição que deveria proteger, mas se especializou em matar. Segundo a matéria, 11.358 pessoas foram assassinadas, nos últimos 20 anos, por policiais militares em São Paulo, mas o dado é do Centro de Inteligência da Polícia Militar paulista e, dizem, há outros números mais arrepiantes. 

Pior: parte desses assassinatos foi enquadrada como “Auto de Resistência”, o que inclui as famigeradas execuções. Pior ainda: tanto a imprensa como a Justiça, não raro aceitam a palavra dos policiais de que o assassinado era bandido e resistiu à prisão. Com certeza, com absoluta certeza, algumas das vítimas jamais poderiam ser classificadas como bandidos e, mesmo que o fossem, não poderiam ser executados, sem qualquer defesa.


A polícia brasileira matou mais do que a polícia estadunidense e os EUA têm população 7,5 maior do que o Brasil. Do outro lado, dados alarmantes também em relação à morte de PMs: 1.248 policiais militares foram mortos no estado de SP no mesmo período. É uma guerra e violência somente gera mais violência, parece claro. Total de vítimas: 12.606, somando-se civis e militares. 

Não haveria qualquer sentido em um país democrático ter uma tropa militar para agir contra sua população. No entanto, no Brasil os governos conseguem achar algum sentido nisso e, se considerarmos que a violência policial tem gerado não apenas vítimas, mas muito ódio, trata-se do caso em que um erro gera outro, que gera outro e outro e o círculo vicioso não para, fomentando horrores cada vez maiores. 

E ainda há os programas televisivos que insuflam, irresponsavelmente, esse ódio... 



O outro lado: policiais militares matam,
mas também morrem nessa guerra insana
Como resolver isso, agora que as PMs parecem ter se tornado um monstro que ataca tudo e todos à sua volta? Negando a gravidade disso, como usualmente fazem os comandos das PMs, é que nada se resolverá. Ah, e só lembrando que, como são instituições militares, seus membros não podem fazer críticas à instituição. Assim, temos, dentro da sociedade democrática, uma instituição antidemocrática, autoritária e fundamentalmente violenta, cujos membros, usualmente, não têm qualquer preparo para lidar com cidadãos e se escondem por trás da farda para cometer atrocidades. 

Não há quem não tenha medo das PMs no Brasil, mesmo que não tenha cometido nenhum ato ilícito ou criminoso. Se a pessoa for morena, negra, então, tem muito mais medo e precisa ter. Parece claro que o problema não terá solução fácil tão cedo, ainda mais que tem dois lados e as quadrilhas cresceram com a fertilidade macabra do ódio e são cada vez mais perigosas. E nós no meio do tiroteio...

Um câncer como esse está tão arraigado que não pode ser simplesmente extirpado sem causar inevitáveis tragédias. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário