quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Quem paga a conta recolhe e fica com as migalhas


A coisa é sempre assim, o boleto sempre
chega muito antes de qualquer benefício
O governo de Dilma acumula insucessos. Na última semana, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) andou com a Ação de Impugnação de Mandato Eletivo impetrada pelo PSDB. Isso significa que Dilma e Temer podem perder os mandatos. Enquanto isso acontecia, o Superior Tribunal Federal (STF) indeferia o mandado de segurança governista contra o Tribunal de Contas da União (TCU) e este pôde julgar as contas de Dilma em 2014. Resultado: 8 a 0 contra a presidente e o TCU, assim, recomenda aos parlamentares que acompanhem a decisão do Tribunal e rejeitem as contas do governo. Os vetos da presidente também correm perigo no Congresso, pois o governo não tem maioria.

A solução em relação a tantos problemas? Comprar votos no Congresso e é isso que Dilma & Cia vêm fazendo. É um expediente, afinal. Nada nobre, é certo, mas um expediente válido. Vergonhoso, mas é o que o governo vem podendo fazer para salvar a própria pele. Nomeando ministros, diretores et caterva Dilma espera jogar água no fogo que vem lhe fritando desde a posse.

As boas intenções que lotam o inferno
A novidade é que as tais “pedaladas” fiscais foram feitas, sim, admite o governo e o mestre Lula, mas com boas intenções. Segundo o ex-presidente, não se fizessem essas “pedaladas”, os programas sociais não teriam chance de sobreviver, estariam condenados à morte lenta e dolorosa. Faltou ele dizer para onde, então, foi o dinheiro que faltou para os programas sociais e “obrigou” a pobre Dilma a cometer essas irregularidades. Faltou ele confessar que o governo petista distribui vantagens demais a quem já tem grana e dá esmolas a quem não tem.

O lado bom do governo, assim, foi ter melhorado a vida de muita gente com os tais programas; o lado ruim foi ter cobrado da camada média da população, a ultrajada classe média, o custo total dos programas. O rico não paga nada e tem tudo, ou quase; já o remediado paga tudo e tem pouco, muito pouco pelo que paga. Aí, o pessoal bate panela e vai para a rua reclamar com razão. A conta não deveria ser cobrada da tal classe média... mas, é. Essa tal classe, aliás, é o novo proletariado. É ela que dá a carne e o sangue que movimenta a máquina.

Migalhas disponíveis

Os “white-collar” estão na linha de tiro e, enquanto os bem nascidos entram na festa convidados, os remediados servem as bebidas e comidas, com direito a recolher as migalhas no fim do banquete. E tem gente que comemora isso... 

Nenhum comentário:

Postar um comentário