terça-feira, 2 de junho de 2015

Os trabalhadores não tem partido e o partido não tem trabalhadores

PT: quem te viu, quem te vê...
Carlos Chagas

Pouco antes de morrer, aos 90 anos, Luís Carlos Prestes declarou, num programa de televisão, que os comunistas não tinham partido, e que o partido não tinha comunistas. Respondia  a uma das maiores iniquidades políticas jamais praticadas entre nós, sua expulsão do PCB por um grupo de anões que a História sepultou.

O tempo passou mas as lições do Cavaleiro da  Esperança permanecem. O PT ainda não rejeitou seu líder maior, mas a conclusão surge clara: os trabalhadores não tem mais partido, e o partido não tem  trabalhadores.

Dá pena verificar os companheiros, com raras exceções, votando as medidas provisórias que restringem direitos trabalhistas e previdenciários, do seguro desemprego ao abono salarial e às pensões das viúvas, aplaudindo o aumento de impostos e calando-se diante do lucro dos bancos. Como o Lula permanece  em  silêncio, como fez durante algum tempo  o velho Prestes, haverá que esperar o inevitável. Não demora que os anões de hoje  venham a afastar o torneiro-mecânico de ontem.  Dilma está para Giocondo Dias assim como Aloísio Mercadante para Roberto Freire.
Acomodaram-se à sombra das mordomias. Preferem ser consultores em vez de trabalhadores.
A gente pergunta como foi possível o grupelho dito comunista renegar seu líder maior e até, mais tarde, mudar de sigla, tornando-se um invertebrado PPS,  linha auxiliar do neoliberalismo. Mas não é que a História se repete como farsa?  O Partido dos Trabalhadores perdeu os trabalhadores e deixou de ser partido. Companheiros em profusão aderiram às benesses do poder, alguns até mergulhando na corrupção desenfreada. Há anos que não se tem noticia de protestarem contra a farsa do salário mínimo.  Esqueceram a  importância de conquistar os meios de produção. Tornando-se primeiro em clubes recreativos, os sindicatos transformaram-se em atalho para a burguesia.  Suas bancadas no Congresso apóiam a terceirização e não se lembram mais da taxação das grandes fortunas. Acomodaram-se à sombra das mordomias. Preferem ser consultores em vez de trabalhadores.

O desfecho  parece próximo. Fica a dúvida: quem representará os oprimidos? Foi o Lula, um dia, mas fora uns poucos sabujos de agora,  falta-lhe  o suporte que também faltou a Luis Carlos Prestes.  Náufragos solitários, restou a um, como ainda resta ao outro, cultivar o inconformismo e acreditar na mudança. Recomeçar. 

Publicado originalmente em http://www.diariodopoder.com.br/artigo.php?i=26190235334

Nenhum comentário:

Postar um comentário