terça-feira, 30 de junho de 2015

Não se iluda

Se você acredita que o PT é "O" partido da bandidagem, se crê que Lula é o inventor da corrupção no Brasil e acusa Dilma de mentir na campanha de 2014, não está entendendo muita coisa ou quase nada, em minha opinião. Não que o PT seja um exemplo de probidade, ou que Lula seja um cidadão acima de tudo correto e de moral ilibada, ou, mais ainda, que Dilma tenha, na verdade, dito a verdade, tendo sido apenas mal compreendida. Não. 

Pense que o PSDB, partido que precedeu o PT no governo, ou o PMDB, aliado do PT e, hoje, o verdadeiro "partido do governo", pois que aparenta ter mais poder que o PT, não são agremiações políticas muito melhores. 

Pense também que os adversários de Lula, como os tucanos FHC, Serra e Cia não fizeram um governo assim tão melhor e que a corrupção, tão falada hoje, nasceu antes da posse do líder petista. 

O parto de novembro


Na imagem, comemoração da vitória de Eduardo Cunha na
eleição para a presidência da Câmara. Horas mais tarde, na
festa peemedebista realizada na casa do eleito, muitos deputados
brindaram à queda de Dilma, que deveria, segundo eles, acontecer
em aproximadamente nove meses. Isso tudo em fevereiro.
Novembro vem aí e os últimos fatos levantados na Lava Jato
podem efetivamente resultar na queda do governo petista... 
No início do ano, quando comemoravam a eleição de Eduardo Cunha para a presidência da Câmara, alguns peemedebistas brindaram à queda de Dilma, que deveria, segundo se conta, acontecer no período de uma gestação, ou seja, aproximadamente nove meses. Como a dita eleição se deu no início de fevereiro, some nove meses e terá novembro. 

Recentemente, ocorreu o que se esperava há muito. As águas da operação policial, denominada genericamente como “Lava Jato”, subiram a ponto de chegar às portas do Palácio do Planalto, umedecendo os fundilhos da atual presidente e, pior, do anterior, o “grande” Lula, o blindado, aquele que nunca soube de nada, nunca ouviu nada etc. 

segunda-feira, 22 de junho de 2015

É a lama, é a lama...


À esquerda, Marcelo Odebrecht preso. À direita, Lula presidente.
Boné do "coringão" e boas relações com a maior empreiteira do país
2014 foi um ano terrível para o Brasil. 

Teve Copa do Mundo com estádios superfaturados, uma seleção brasileira fraquíssima, na qual só se destacou o bom jogador, mas inexperiente, Neymar (ainda assim, por três ou quatro jogos, pois que no seguinte uma entrada desleal de um adversário o tirou da competição e da vexatória derrota para a Alemanha). 

Ainda houve o pessoal que reclamou das falcatruas da Copa e foi recompensado com uma repressão que deixou os saudosistas da ditadura militar excitados a ponto de pedir a volta da mesma. 

Teve uma eleição presidencial na qual se mentiu como nunca, de todos os lados. De certo modo, o melhor mentiroso venceu, ou melhor, o mais eficiente mentiroso, aliás, mentirosa. Isso não lhe tira possíveis méritos, nem atribui virtudes à oposição, que parece ter mentido menos, o que não é nada honroso. 

Teve também eleição para o Senado, a Câmara Federal, para os governos estaduais e para as Assembleias Legislativas. No caso da Câmara Federal, elegeram-se candidatos pouco qualificados no que tange às virtudes políticas, embora haja bons nomes aqui e ali, mas poucos. A maioria é mais negociante do que política e tem a alma já vendida. 

Nos governos, houve escolhas trágicas, como a do tucano Beto Richa, no Paraná, um zero à esquerda que consegue se eleger e reeleger claramente por conta de ser testa de ferro de um time poderoso e que enriqueceu por conta de controlar o poder público. Logo no início de seu mandato, descobriu-se que ele falira o estado já na primeira gestão e iniciava a segunda tendo que administrar a miséria. A conta disso, é claro, foi passada para os servidores e para a população, como de costume. Os professores ainda ganharam balas de borracha, porradas de cassetetes e mordidas de cães amestrados para ferir manifestantes e, por que não dizer, sangrar a própria democracia. 

Mau cheiro
No segundo semestre, bem no período eleitoral, explodiu um escândalo daqueles, provavelmente um dos maiores da história da República brasileira. A tal Operação Lava-Jato da Polícia Federal (PF) começou a exalar seu mau odor e até hoje tem feito o país conviver com os miasmas que emanam dos apertos de mão entre empresários e políticos. 

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Celso Nascimento: O tempo passa, o tempo voa e a corrupção continua numa boa

E Beto Richa diz que corrupção começou no
tempo em que seu pai era governador...
Tem corrupção e corrupção. Nem sempre são iguais ou motivadas pelas mesmas razões. Como há diferenças, soa falso e simplório colocar todos os tipos de corrupção num mesmo balaio e afirmar que, se ela existe há 30 anos na Receita Estadual, o escândalo descoberto agora fica parecido com coisa velha e, portanto, nem se deve dar tanta importância e, muito menos, responsabilizar a atual gestão estadual.

Primeiro, uma observação: se a corrupção na Receita teve data marcada para começar, exatamente em 1985, como asseguram o governador Beto Richa e o Gaeco, não se pode esquecer que à época o governador era o pai, José, que esteve à frente do Palácio Iguaçu até março de 1986. Além da ofensa à memória do bom José, ofendidos devem se sentir também os que o sucederam e ainda têm vida e voz para se defender, como os governadores João Elízio, Alvaro Dias, Roberto Requião, Mario Pereira, Jaime Lerner e Orlando Pessuti. Cada um deles, a seu tempo, teria sido frouxo ou conivente com a corrupção?

quinta-feira, 11 de junho de 2015

Lula, que amava Dilma, que amava Dirceu, que amava toda a quadrilha e acabou assinando o BO

Uma fonte informa que a chapa está quentíssima para Lula e Dilma. Zé Dirceu disse, e isso é público e notório, que os dois devem botar as barbas de molho, porque o abandonaram quando estourou a bomba do tal Mensalão e ainda deram graças aos céus pelo fato do Barbosa, o ilustre ministro aposentado que presidiu o STF quando do julgamento do caso, ter pegado pesado com ele.

Parece que Dirceu chamou Lula e a presidenta de covardes e alertou que todos, os três, estão no mesmo saco. E tudo indica, efetivamente, que Lula ficou muito feliz de ter se livrado de Dirceu e que não acredita que o ex-parceiro o coloque numa fria.

quarta-feira, 10 de junho de 2015

Foi ao bar, perdeu a comanda e pagou a multa? Você pode ter de volta, quintuplicado, o que pagou: saiba como

Fui pra balada - Perdi a Comanda. E Agora?

O que vai acontecer com você? Terá que pagar aquela multa altíssima?
Publicado por Michel Borges Michelini no JusBrasil

Então você se arruma, vai com a galera aproveitar uma balada ou barzinho, se diverte e na hora de pagar a conta, arregala os olhos, o desespero bate, a tremedeira começa. Os bolsos são revirados, as bolsas são remexidas e por ultimo vem aquela frase:

- Meu Deus, minha comanda sumiu! E agora?

Quem costuma sair para aproveitar a noite, ou já passou isso, ou já viu alguém que passou por essa situação.

O grande problema é que em muitos lugares eles cobram uma multa, altíssima, no caso de perda da comanda.

Está correto pagar essa multa? O que você deve fazer nessa situação?

segunda-feira, 8 de junho de 2015

O ajuste fiscal do governo Dilma - A nova economia que pretende afundar ainda mais o Brasil

Com a ajuda do governo brasileiro, os
parasitas financeiros sugam o seu sangue
É difícil crer que o que o governo tem proposto na economia será bom para nós e para o país de modo geral. Trata-se da velha fórmula que pune a produção, o progresso, o investimento no trabalho, a vida, em favor da especulação financeira, que rescende a morte, pois ceifa a disposição, promove a injustiça e mata a esperança. 

O governo petista, assim como seu antecessor, tucano, escolheu seu lado e este é o dos parasitas financeiros. Não parece haver descontinuidade administrativo-financeira nos últimos 20 anos. 

Este texto, publicado no JusBrasil, aparentemente de autoria de Anne Silva, trata sucintamente do tema. Com a sugestão de pequenos reparos, é possível dizer que trata do essencial: as medidas econômicas são contra a população e a favor dos agentes financeiros, os banqueiros. 

Claramente, é uma forma de nos fazer pagar uma conta que não fizemos a credores que não devíamos alimentar.

terça-feira, 2 de junho de 2015

Os trabalhadores não tem partido e o partido não tem trabalhadores

PT: quem te viu, quem te vê...
Carlos Chagas

Pouco antes de morrer, aos 90 anos, Luís Carlos Prestes declarou, num programa de televisão, que os comunistas não tinham partido, e que o partido não tinha comunistas. Respondia  a uma das maiores iniquidades políticas jamais praticadas entre nós, sua expulsão do PCB por um grupo de anões que a História sepultou.

O tempo passou mas as lições do Cavaleiro da  Esperança permanecem. O PT ainda não rejeitou seu líder maior, mas a conclusão surge clara: os trabalhadores não tem mais partido, e o partido não tem  trabalhadores.

Dá pena verificar os companheiros, com raras exceções, votando as medidas provisórias que restringem direitos trabalhistas e previdenciários, do seguro desemprego ao abono salarial e às pensões das viúvas, aplaudindo o aumento de impostos e calando-se diante do lucro dos bancos. Como o Lula permanece  em  silêncio, como fez durante algum tempo  o velho Prestes, haverá que esperar o inevitável. Não demora que os anões de hoje  venham a afastar o torneiro-mecânico de ontem.  Dilma está para Giocondo Dias assim como Aloísio Mercadante para Roberto Freire.
Acomodaram-se à sombra das mordomias. Preferem ser consultores em vez de trabalhadores.
A gente pergunta como foi possível o grupelho dito comunista renegar seu líder maior e até, mais tarde, mudar de sigla, tornando-se um invertebrado PPS,  linha auxiliar do neoliberalismo. Mas não é que a História se repete como farsa?  O Partido dos Trabalhadores perdeu os trabalhadores e deixou de ser partido. Companheiros em profusão aderiram às benesses do poder, alguns até mergulhando na corrupção desenfreada. Há anos que não se tem noticia de protestarem contra a farsa do salário mínimo.  Esqueceram a  importância de conquistar os meios de produção. Tornando-se primeiro em clubes recreativos, os sindicatos transformaram-se em atalho para a burguesia.  Suas bancadas no Congresso apóiam a terceirização e não se lembram mais da taxação das grandes fortunas. Acomodaram-se à sombra das mordomias. Preferem ser consultores em vez de trabalhadores.

O desfecho  parece próximo. Fica a dúvida: quem representará os oprimidos? Foi o Lula, um dia, mas fora uns poucos sabujos de agora,  falta-lhe  o suporte que também faltou a Luis Carlos Prestes.  Náufragos solitários, restou a um, como ainda resta ao outro, cultivar o inconformismo e acreditar na mudança. Recomeçar. 

Publicado originalmente em http://www.diariodopoder.com.br/artigo.php?i=26190235334