terça-feira, 10 de junho de 2014

"Somos todos vira-latas", por Sérgio Domingues

“Não temos o complexo de vira-latas”, disse Dilma Roussef, recentemente, em resposta aos críticos da Copa do Mundo.

A expressão foi usada por Nelson Rodrigues, logo depois da derrota da seleção brasileira na Copa de 1950. Mas também serviria para a situação de inferioridade em que os brasileiros se colocariam diante do resto do mundo.
Nos jogos da Copa, os que têm pedigree estarão nas áreas Vips dos estádios. Desfrutando do conforto pago pela grande maioria formada por vira-latas. Mas muitos destes últimos estarão nas ruas, protestando. Oprimidos e explorados, juntos e misturados. 
Muitos intelectuais da elite realmente acreditavam, e acreditam, nesta inferioridade. E ela se deveria ao caráter mestiço do povo brasileiro. Certa vez, Monteiro Lobato, por exemplo, disse que o Brasil era “filho de pais inferiores”. Seu povo, desprovido do “sangue de alguma raça original”.

Mais recentemente, a mestiçagem ganhou caráter positivo. Mas começou a ser utilizada para esconder o racismo brasileiro. “Aqui não há racismo”, dizem. “Somos todos juntos e misturados”. Discurso desmentido pelas condições de vida muito piores reservadas à população negra.

De qualquer maneira, pureza de raça nunca foi vantagem. Ao contrário, a biologia já provou que a diversidade só traz benefícios. O melhor exemplo são exatamente os vira-latas. Aqueles cães e gatos sem raça definida, que enchem as ruas das cidades brasileiras.

Resultado da mistura constante de raças, a falta de pedigree do vira-lata é compensada por muitas vantagens. Entre elas, a resistência a doenças e a inteligência estimulada pela necessidade de sobreviver. A mesma que os torna fiéis companheiros de quem os acolhe.

Nos jogos da Copa, os que têm pedigree estarão nas áreas Vips dos estádios. Desfrutando do conforto pago pela grande maioria formada por vira-latas. Mas muitos destes últimos estarão nas ruas, protestando. Oprimidos e explorados, juntos e misturados.

Somos vira-latas. Nunca desistimos!

===============================================

Sérgio Domingues é militante do PSOL, sociólogo, servidor do Ministério da Saúde e coautor do Dicionário de Politiquês, com Vito Giannotti. Também escreve nos blogs Pílulas Diárias e Midiavigiada. 
http://www.psol50.org.br/site/artigos-e-entrevistas/colunistas/25/sergio-domingues

Nenhum comentário:

Postar um comentário