sexta-feira, 23 de maio de 2014

Não se iluda, nada mudará com a eleição: governos brasileiros são capatazes do mercado financeiro

Para agradar ao patrão, o capataz taxa.
Se você não paga, o capataz pune.
Observando as contas do governo do Brasil, descobre-se que o país gastará, em 2014, aproximadamente R$ 27 bilhões com o "Bolsa Família" e R$ 1 trilhão com a dívida que o governo (Lula) disse ter sido paga em 2005. Não foi paga, foi renegociada com prejuízo de aproximadamente algo entre 200 e 300%. Em suma: enquanto o governo joga a migalhada ali para o pessoal do porão (ótimo) serve caviar para o pessoal lá da cobertura (péssimo). E quem paga a conta? 

O assalariado em geral e o médio e pequeno empresário estão pagando tudo, o “Bolsa Família” e o “Baú da Felicidade dos banqueiros”. O problema é que esse pessoal costuma ser meio ruim de cabeça e falar muita besteira, não raro se apegando a teses exóticas e não conseguindo identificar bem seus inimigos, os tomando como amigos e até mesmo confiando a eles seus segredos e posses. O mesmo acontece na situação oposta, quando não sabem quem são os amigos e os tratam como inimigos. Uma confusão. Curiosamente, não reclama de pagar o trilhão de juros, mas quica de raiva por pagar os “bolsas” para os mais pobres.

Mas, na realidade, esse pessoal pode reclamar e com razão. Paga o assistencialismo e paga os privilégios, trabalha quase metade do ano só para pagar isso e não recebe praticamente nada em troca. Votará em massa em qualquer opção contra o atual governo e, se este for eleito, apoiará qualquer tipo de golpe. A maioria não entende que nada substancialmente mudará com qualquer mudança de governo e que o problema é que o governo brasileiro é, tradicionalmente, capataz do capital financeiro. 

Para mim, o melhor capataz que os banqueiros conseguiram na história recente do Brasil foi o governo petista, mas há controvérsias. E há quem concorde, mas diga que tivemos "avanços"... 

Nenhum comentário:

Postar um comentário