sábado, 28 de julho de 2012

Caveirão lamenta morte de menina


Ele lamenta muito e a gente, é claro, acredita muito
O Bope e seu Caveirão lamentam muito a morte da menina Bruna da Silva Ribeiro, de 11 anos, atingida por uma bala durante invasão à comunidade da Quitandinha, em Costa Barros, Zona Norte do Rio. Só que dizem que vão continuar a “pacificar” as comunidades, no mesmo estilo. O que não dizem é que, na verdade, estão pouco se lixando, pouco ligando para as vítimas de suas “operações”. Só lamentam porque não fica bem não fazer isso.

Na nota que a polícia redigiu para expressar sua consternação, porém, não se assume o assassinato e, como sempre, a imprensa o atribui a uma bala “perdida”. Ora, todo carioca sabe que em noventa por cento dos casos, a tal bala “perdida” sai, nessas invasões eufemisticamente chamadas de “operações”, dos canos das armas policiais. Os que não sabem não o fazem por que não querem saber disso mesmo. Para eles, costumeiramente, a morte de mais um favelado traficante – só não chamaram a menina de traficante porque não fica bem – é um bálsamo. A polícia está cumprindo o seu dever, dizem.

Conta-se que as armas dos policiais foram recolhidas para averiguações. Só que, há quem jure, se trata de um ato simbólico, pois, a não ser que Jesus Cristo desça à terra, a polícia jamais assumirá uma morte de uma menina de 11 anos.

sexta-feira, 27 de julho de 2012

O governo “quinta-coluna”


Olhando bem, até que se parecem, excessivamente
"Reprimir manifestações legítimas é aplicar o projeto que nós derrotamos nas urnas", afirma a Central Única dos Trabalhadores (CUT) sobre a postura do governo na greve dos servidores públicos. A CUT é uma entidade sindical ligada ao Partido dos Trabalhadores, que ocupa o Governo Federal, hoje, no Brasil. Se a CUT diz isso, há que se pensar.

No tempo da ditadura militar, nós sabíamos que lutávamos contra um inimigo claro e declarado. Durante os governos de Color e FHC, sabíamos o mesmo. Mas, neste momento, em que ex-companheiros de luta estão no poder, surpreende e assusta perceber que esses mesmos ex-combatentes hoje se tornaram iguais ou mesmo piores do que os ditadores militares ou que os tucanos e pefelistas. Há quem diga que piores, pois traidores e há quem jure que se trata de um governo “quinta-coluna”, o que significa referir uma das maiores ofensas que um militante de esquerda pode ouvir.

O poder dos medíocres

O mundo é dos medíocres, alguém me disse uma vez. O pior é que, enxergando a realidade com um mínimo de preconceito, essa afirmação não está distante da verdade.

Somos praticamente todos, hoje, medíocres. Isso significa dizer que nos orientamos pela média, pelo padrão de comportamentos gerais ou, mais especificamente, pelo padrão de pensamentos e sentimentos da maioria. A mídia, também conhecida como “media”, um termo da língua inglesa, uniformiza valores, e até mesmo desejos, incluindo as sensações e sonhos, algo que, em princípio, deveria ser absolutamente subjetivo e variável. Mas, parece óbvio, não é (*).

O medíocre diz: “eu gosto disso” ou “eu odeio aquilo” com tanta convicção que parece claro que acredita piamente no que diz, principalmente no “eu”. O medíocre cultua o eu acima de todas as coisas e o que vê no espelho não é algo compreensível ou explicável pela catóptrica (na física, ramo da ótica que toma como objeto a reflexão dos raios luminosos nos espelhos – do grego katoptriké, referente aos espelhos), mas sim, curiosamente, pela psicologia (ramo do conhecimento dedicado ao estudo dos fatos psíquicos, tanto no que diz respeito à consciência quanto ao comportamento).

Mas, por que é assim?

Sindicalista desmente governo e diz que Dilma, Belchior & Cia não dizem a verdade


Pedro Delarue é presidente do Sindifisco (Sindicato Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil) e mostra, em números, o quanto o governo do Partido dos Trabalhadores tem torcido a verdade. Segundo ele, o governo gastava, em 2011, R$ 111 bilhões e não R$ 197 bilhões, como os ministros têm dito. Isso significa dizer que, para conceder o reajuste de 22% que vem sendo proposto pelos servidores em greve, seriam necessários apenas R$ 24,5 bilhões, e não os R$ 60 bilhões divulgados – chega-se a falar até em R$ 90 bilhões!

Da mesma forma, Delarue desmente os petistas governistas no que diz respeito ao percentual do PIB (Produto Interno Bruto) que é utilizado para pagar os servidores. De 1,7% no governo dos tucanos, caiu para 1,1% no governo do Partido dos Trabalhadores. Segundo matéria do jornal Valor Econômico, o governo precisaria de R$ 20 bilhões para manter o percentual no mesmo nível, algo bem próximo dos R$ 24,5 bilhões citados no parágrafo anterior.

O presidente do Sindifisco poupa o ex-presidente Lula, que teria valorizado bem mais o funcionalismo, e não aceita o argumento de crise internacional para segurar os reajustes, pois durante a crise de 2009 os acordos de reajustes salariais foram honrados e a crise daquela época não foi assim tão mais leve do que a atual.

Para completar, o sindicalista lembra que é fundamental haver boa remuneração para valorizar o servidor e, acima de tudo, para fortalecer o mercado interno, fator essencial para evitar o chafurdamento na crise.

O secretário de trânsito pode infringir a lei de trânsito e seguir impune?


Pois é... um tanto irônico isso
Leio no portal de notícias de Margarita Sansone que o secretário municipal de Trânsito da Prefeitura de Curitiba, Sr. Marcelo Araújo, soma mais de 180 pontos de infrações de trânsito em sua carteira de motorista. O curioso não é apenas o fato do sujeito ser justamente o responsável pela ordem no trânsito da cidade ordeira de Curitiba. O pior é que, com tantos pontos, fica a suspeita, ou a quase certeza, de que se o dito não teve a carteira cassada foi porque “sabe o caminho das pedras” ou, como se dizia no Rio de Janeiro, “conhece como se dá o pulo do gato”.
Mais: segundo informações da jornalista, nunca fez os cursos de reciclagem os quais os motoristas mortais são obrigados a fazer com muito, muito menos pontos negativos na carteira.

Inacreditável e um tanto revoltante, é preciso dizer.

quarta-feira, 18 de julho de 2012

O outro lado

O Governo sem-vergonha do PT mandou a polícia negociar com os 12 mil servidores que foram a marcha de hoje em Brasilia. Os gorilas fardados negociaram como sabem: com braços torcidos, spray de pimenta e cassetetes. Os covardes, por incrível que pareça, visaram as mulheres. Vi três serem presas. Esse é o partido dos trabalhadores?

De uma testemunha que viu tudo: EU

O confronto ocorreu na porta do Ministério do Planejamento

segunda-feira, 9 de julho de 2012

O que é isso, companheira?

Um governo covarde


Os servidores públicos estão em greve. Não todos, claro, mas muitos deles, principalmente os que recebem menos, como é o caso dos do Ministério da Saúde. E o governo do Partido dos Trabalhadores, o PT, diz que vai cortar o ponto dos grevistas. Bonito, para não dizer o contrário.

O governo do Partido dos Trabalhadores, depois de dez anos de mandatos, tem decepcionado os seus próprios trabalhadores, embora haja muita gente satisfeita e com razão de estar. Afinal, o governo tem dado aumentos pontuais, gordos e diferenciados para algumas categorias e extinguiu a data base do funcionalismo para poder distribuir benesses sem precisar estendê-las a todos. Agora, felizes mesmo estão os banqueiros, grandes empresários e especuladores, parasitas que entendem que o Estado é o hospedeiro ideal.

Sobre a TV que não assisto

Fico sabendo que uma ex-leitora de teleprompter (TP) da Globo está com programa novo. Nele, tudo indica, são debatidos temas gerais e genéricos, provavelmente com o vácuo de sentido e inteligência que tem povoado o jornalismo das grandes empresas e, em especial, da empresa que confecciona os textos os quais a senhora apresentadora lia no telejornal, no passado, e agora lê no novo programa. Falo da senhora Fátima Bernardes.

Raramente assisti o citado telejornal no qual a senhora Bernardes, junto a seu marido, cujo nome me escapa, leram os TPs da emissora, franzindo a testa e oferecendo ao público sorrisos amigáveis, conforme o texto do TP. Também se não me falha a memória, parecem ter escrito até mesmo um livro falando sobre a experiência de fazer o dito programa de TV. Talvez tenham tirado de algum TP o conteúdo do livro, não é absurdo afirmar. Esse pessoal se acostumou tanto a ser boneco de ventríloquo que nunca se pode confiar que pense por si próprio. Embora isso não seja uma verdade absoluta, tudo indica que pode ocorrer, ou deve ocorrer.