domingo, 15 de janeiro de 2012

A vida


A vida, o que é isso se não essa imensidão que nos penetra e cerca e à qual jamais vamos conhecer totalmente? A vida nos oferece tudo. Tudo mesmo. Nos dá ar, nos dá comida, nos dá água, nos dá uma alma. É certo que não fazemos muito uso desta última. A cultura de massa prova isso. Onde há viva alma nesse ambiente em que nada se cria, tudo se copia? Não há alma que se crie, no entanto há vida, porque a vida é persistente, tanto que só morre depois da esperança, que todo mundo diz ser a última.


Nunca aponte problemas na vida. Ela não tem problema algum, segue como deve ser. A SUA vida é que é um problema. Sem solução. Realmente você é um problema para a vida. E sabe o que ela faz com problemas? Ela se livra deles. Nunca esqueça que a vida não suporta problemas e tome jeito.


Repito: não devemos amaldiçoar a vida. Ela não tem culpa. A culpa é sua, apenas sua. É você que não faz o que deve na hora que deve e é você que escolhe a pessoa que não deve para fazer isso. Depois dos nove meses, toda a dívida recai sobre o pequeno ser que chegou ao mundo inocente, sem calças ou obrigações prévias. Vai ter que aturar usar o nome ridículo escolhido por você, vai ter a sua desprezível personalidade como guia e vai ser exatamente o que você foi. Se não lhe matar, é porque definitivamente você lhe legou a covardia.


Se você não tiver amor à vida, pode procurar sua irmã, que se chama morte. Consumir álcool com frequência indica que você está começando um namoro sério com ela. Usar motocicleta significa que o noivado foi firmado. Se você é do tipo que não faz isso e fica em casa, o dia todo na frente desta tela ou, em casos mais graves, em frente da TV, é porque já casou e não sabe.


Como se vê, definir a vida não é possível. Ela nos suplanta e nos escapa de uma forma que nunca imaginamos. A vida é como o mar, ora calmo, ora turbulento e agitado. Se você não sabe nadar, aprenda rápido. Quando a tsunami vem, não há barco que resista. Você tem que pular na água. Se não tiver fôlego, ainda resta conseguir um emprego público e vegetar por toda a vida. Pelo menos estará seco, por fora e por dentro. Só nunca descobrirá o que é a vida.


Escolha passar a vida na iniciativa privada. É muito emocionante. Afinal, de todas as formas de vida, a selvagem é, sem dúvida, a mais agitada. Aliás, estou para descobrir porque tem tanto bicho-grilo ambientalista que é vegetariano. Não sei por que esse ódio desmedido contra as plantas. Na verdade, esse pessoal parece que odeia o verde, ou quer ele todo como refeição. Outra coisa: como conciliar ser pacífico e amar a natureza? De que natureza se está falando? A que eu conheço é um mata-esfola sem fim. Darwin pode testemunhar a meu favor e, é claro, todos os teóricos liberais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário