segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Depressão na sociedade do vazio

Maria Rita Kehl
 

Trechos de entrevista publicada originalmente na revista Caros Amigos
(...)

Eu estava lendo Walter Benjamin, por causa de um grupo de estudos, estava lendo o texto dele sobre experiência. Ele faz uma articulação entre a perda da experiência e a velocidade da vida moderna. E eu falei “a depressão está aqui”, porque Walter Benjamin chama isso de melancolia, não é também que eu inventei isso, então são duas coisas diferentes que se juntaram. A depressão como o começo de uma experiência no consultório que me interessou muito, e a depressão como um sintoma social, quer dizer, algo que se alastra, sintoma social no sentido de um tipo de sofrimento mental que além de dizer respeito ao sujeito, a cada um por si que está sofrendo, cada um com suas razões, revela alguma coisa que não vai bem. Não se poderia dizer que é o sintoma social do homem contemporâneo, porque drogadição também é um sintoma, violência também é um sintoma. Mas certamente depressão é um dos importantes sintomas. Porque, digamos, ele faz água no barco. 


Tem um barco, que é a sociedade de consumo, que as pessoas supostamente navegam, às vezes achando que a vida vai ter sentido porque você pode ter dinheiro e comprar não sei o quê. Todo mundo fala: “Que sociedade de consumo? Brasil? Menos de 1/3 pode consumir o básico”. E eu insisto que essa sociedade é de consumo, nos termos mesmo dos autores, do Jean Baudrillard, aliado à idéia de Guy Débord da sociedade do espetáculo, porque o que dá sentido à vida é o consumo. A questão não é a sociedade de consumo porque todo mundo está consumindo furiosamente, pouca gente está consumindo furiosamente, mas as pessoas medem o que elas são pelo que elas podem consumir, medem o sentido da sua vida pelo que elas podem consumir. 

Estão convencidas de que o valor delas e das outras se define pelo que elas podem consumir. Por isso sociedade de consumo, pela crença, não necessariamente pelos atos.

(...)

De uns anos para cá eu fui amadurecendo, e comecei a atender pessoas deprimidas e comecei a ficar interessadíssima no fato de como elas eram sensíveis à análise, como tinham permeabilidade maior ao inconsciente que no neurótico, que, vamos dizer, está bem defendido, que vai para a análise também, mas é um custo para abrir uma brecha.

(...)

Agora, na depressão, todos os ambulatórios no Brasil têm esse folhetinho: ”Você tem depressão? Atenção, é uma doença séria mas tem cura”. Aí se você tem alguns sintomas, ai tem uma lista de 20 sintomas que qualquer um de nós tem alguns deles. Falta de sono, excesso de sono, falta de fome, excesso de fome, desânimo, irritabilidade, bom, em São Paulo quem é que não tem irritabilidade, estresse, vai por aí.


O importante é que no caso das depressões, numa sociedade em que a moral social é a moral da alegria, do gozo, da farra, não é a moral até a primeira fase do capitalismo, que até os anos 1950, e isso combinou também com o protestantismo, era a moral do adiamento da gratificação, sacrifício, esforço, sobriedade, tudo que a gente conhece hoje em dia de literatura. 


E a moral que mudou muito rapidamente depois dos anos 60, não por culpa dos movimentos dos anos 60, mas pela tremenda plasticidade do capitalismo, do boi eu aproveito até o berro, do homem eu aproveito até o berro, derramo o que não queremos, o que queremos é sexo livre, independência. E o sistema fala “oba, vamos devolver isso na forma de mercadoria”. E hoje nós nos beneficiamos, mas também a sociedade de consumo bombou depois dos anos 60. 

Então, numa sociedade como essa em que você moralmente se sente obrigado a estar sempre muito bem, qualquer tristeza você identifica como depressão. Então tem aí muitas dessas famílias que dizem que isso é frescura, que não é depressão, mas eu acho que é minoria. A maioria é assim: o filho está maleducado, toma remédio, porque é hiperatividade, toma remédio; o filho está numa crise adolescente, deprimido, toma remédio. É a mesma lógica, digamos assim, imaginária que rege o capitalismo financeiro: jogue certo que você vai estar rico a vida inteira, acabaram os seus problemas, acumule um monte, faça ajogada, e não é para ter turbulência, que as turbulências são deficiências, perdas de tempo, porque tempo é dinheiro; afinal de contas, então, remédio, remédio. E qual a relação disso com a depressão? Você vai criando um sujeito esvaziado.

Mas o remédio não é a cura, é só a condição para a pessoa ir se tratar. Então, o que é a força psíquica, a chamada vida interior? É trabalho permanente, desde o bebezinho ali que a mãe não chegou na hora e ele estava com fome e teve que esperar um pouquinho, o psiquismo é isso, trabalho para se enfrentar a dificuldade, enfrentar conflitos, suportar crises, suportar desprazer em momentos, porque não dá para ter prazer o tempo todo, isso é psiquismo. 


A ansiedade diz “não enfrenta conflitos, não enfrenta porque você vai ficar um tempo meio confuso, meio improdutivo, toma o remédio e vai em frente”. Vai se criando uma vida sem sentido.

(...)

http://carneviva.org/ritakehl.htm

11 comentários:

  1. Ѕo much fоr tгying this mуѕеlf, I'll never be able to manage it. I think I'll
    just гeаd about іt.

    Herе is my wеb-ѕite ... bad credit fast cash loans

    ResponderExcluir
  2. barbecue tіme is close. If Ι can јust reаd
    all thіs ρoѕt іn thе neхt
    tеn minutes Ι'll be able to loosen up.

    Here is my web site: fast cash loan

    ResponderExcluir
  3. Spuг of thе moment еditοrіаlѕ arе often bеst,
    the writing јust ρourѕ out ontо thе
    scrеen.

    my ωeblog :: Http://studio100.info/Gebruiker:TheodoreH

    ResponderExcluir
  4. Ѕрur of the moment editoгials are often bеѕt, the sеntenсeѕ just pour out оnto the sсreen.


    Feel frеe to visit my website; small personal loans

    ResponderExcluir
  5. I am wonderіng what age you start to get ωiser and get used to all this rubbish.


    Also visit my ωeb-sitе ... Best Personal Loans

    ResponderExcluir
  6. I fеel as thοugh I сould learn abοut thіs аll day, іt's enthralling. I don't even need
    а tеa уet.

    mу weblog; fast cash payday loan

    ResponderExcluir
  7. Oh wеll. Pour yоurself a glass of milk, have a bath and lеt go.


    Feеl frее tο suгf to my webpagе .
    .. fast cash loans uk

    ResponderExcluir
  8. Todaу's plan - college work...have to....get some done....

    My blog :: fast loans with bad credit

    ResponderExcluir
  9. I lovе to read about the finer рoints of thеse things,
    that's what makes this blog really tick over. Things other authors leave out.

    Also visit my website: best personal loans

    ResponderExcluir
  10. Haven't yet looked into this idea before now, I should do so.

    Have a look at my blog; fast payday advance

    ResponderExcluir
  11. Perfeсt intгo, made me rеаd all of the post.
    Mine alwaуs ѕeem tо drag on, yourѕ is very punchy.


    Also vіsit my wеblog - best personal loans

    ResponderExcluir